Aniversário de dois anos do Arthur

No mês de agosto o nosso pequeno grande homem fez dois anos. Teve até um bolinho no dia do seu aniversário mas a festinha mesmo foi uma semana depois.

A festinha foi muito boa, mais uma vez com decoração temática feita pelas mãos da minha mãe. O tema foi o desenho espanhol Pocoyo, que é um dos desenhos favoritos do Arthur.

Confira as fotos do enfeite neste link.

Em termos de organização foi uma festa mais simples do que a do ano passado e mesmo assim já dá muito trabalho. E olha que fizemos no nosso condomínio, se fosse em salão alugado daria muito mais trabalho o “leva e traz”.

Mas foi bem animado. Aliás teve até animadora.

Os avós maternos e paternos percorreram seus 700km de distância até Florianópolis para estar conosco e com o neto, bem como fizeram outros parentes queridos.

Niver Arthur-106-L

Não é o mais importante da festa, mas ele ganhou muito presente e muita coisa legal que vai nos poupar de comprar muita coisa.

Outra diferença: na festa de um ano quase não tinha crianças. Desta vez estava cheio de criança da idade do Arthur. Amigos que tiveram filho recentemente, crianças do condomínio e crianças da escola. Agora nessa idade ele já brinca com os colegas.

Um dos desafios era fazer o Arthur dormir antes da festa. É sempre uma grande dificuldade fazê-lo tirar uma soneca. E se ele não tira, fica muito mal humorado e cansado. Nem dá para acreditar quando a professora fala que na escola ele é o primeiro a ir deitar sozinho, e até apaga a luz da sala.

Niver Arthur-052-L

Nessa festinha contamos com a grande ajuda dos nossos queridos vizinhos. Eles estão iniciando um negócio de doces artesanais para festas, e foi aprovado por unanimidade. Não são apenas bonitos mas são muito saborosos. Minha irmã, que tem uma empresa de convites, fez todo o material de papelaria da festa. Não só os convites, mas também as lembrancinhas, painel, e enfeites em papel, cuidando tanto do Design quanto da impressão.

Mas a festinha correu tudo bem. O Arthur dormiu antes e teve que ser acordado para a festa, o que fez com que ele chegasse com preguiça. Mas logo passou.

O Arthur estava muito contente com a sua festinha e acho que entendeu bem que era o seu grande dia. No fim da festa, um pequeno acidente: enquanto a vizinha e eu levávamos coisas de volta para o apartamento, algumas coisas caíram do carrinho do supermercado na rampa. Estava ali agachado segurando o carrinho com uma mão e pegando as coisas com a outra, quando o Arthur apareceu num cavalinho com rodas pela rampa. Ainda consegui segurá-lo com uma mão, mas ele caiu e machucou o rosto. Na hora eu não vi o machucado, mas a minha vizinha gritou pelo marido dela que veio ajudar segurando o carrinho e então eu vi o sangue. Corri para dentro do salão com ele no colo e meu cunhado limpou o ferimento como pode. Acho que foi a vez que ele mais sentiu dor na vida. Mas no fim não foi grave. Alguns arranhões no rosto e um machucado dentro da boca, provavelmente uma mordida, que no dia seguinte estava bem.

Arthur com o rosto machucado no mesmo cavalinho da queda
Arthur com o rosto machucado no mesmo cavalinho da queda

Eu sou bem cuidadoso e sempre estou a par de todos os riscos, mas não dá para limitar sempre. Naquele momento que sai do salão, sabia do risco, mas ele geralmente nunca sai sozinho assim e havia algumas pessoas no salão também. E aconteceu tão rápido que ninguém viu. Ele havia caído antes do cavalo no mesmo dia e eu o incentivei a não ter medo. No dia seguinte ele me contou que caiu. E eu expliquei para ele como foi. Falei que ele rolou e caiu, e tentei ensinar que dali para frente era rir da situação. Ele ainda está com uma feridinha no queixo e ao menos uma vez por dia ele me conta da queda e dá risada. O cavalo? Agora virou um dos seus brinquedos favoritos.

Facebook Comments

Post Author: mario