OPOL – One person, one language / One parent, one language

Em se falando de educação bilíngue, alguns termos sempre surgem, como é o caso do OPOL.

Trata-se de um método para criar crianças bilíngues introduzindo as línguas simultanetamente, porém separadas por pessoas.

De acordo com a autora Madalena Cruz-Ferreira (PhD em Linguística e Fonética pela Universidade de Manchester e especialista no assunto aquisição de línguas) em seu livro Three is a Crowd?: Acquiring Portuguese in a Trilingual Environment, OPOL é um acrônimo em inglês derivado do termo originalmente francês une personne, une langue e portanto refere-se a one person, one language. O termo foi criado pelo francês Maurice Grammont em 1902. É muito comum e aceito também o termo one parent, one language, para o mesmo acrônimo.

Em português, seria então:

  • Uma pessoa, uma língua – one person, one language,  seguindo a explicação acima, ou
  • um pai, uma língua
Exemplos de cenários para o OPOL:
  • Mãe conversa em português com o filho e o pai em inglês
  • Mãe e pai conversam em português com o filho e a avó em alemão
  • Mãe e pai conversam em português com o filho, que estuda em uma escola internacional de imersão em outra língua
  • Mãe conversa em inglês com filho, o pai em português e a avó em alemão
Como pode-se perceber pelos exemplos acima, OPOL não se trata de um método para bilinguismo (duas línguas), mas sim de um método para mais de uma língua.
Quando proposto em 1902, a teoria de Grammont era que o método ajudaria a prevenir confusão em crianças bilíngues.
É hoje um dos métodos mais usados e aceitos, juntamente com o ML@A – Minority Language at Home.
Assim como é muito defendido por estudiosos, é também criticado. Porém os estudiosos que o criticam em geral não o fazem apontando como uma prática ruim que não deve ser adotada, mas sim questionando a necessidade de um sistema rígido.
Em alguns casos o OPOL pode oferecer desvantagem, como por exemplo, quando a pessoa que conversa na língua minoritária tem um contato muito pequeno com a criança. Quanto menor a exposição, menor a aquisição de língua. Se o contato vir por exemplo de um pai que tem muito menos contato do que a mãe, a criança pode acabar entendendo bem a língua mas não conseguindo ou se recusando a responder na mesma língua.
No livro Three is a Crowd?: Acquiring Portuguese in a Trilingual Environment, a autora cita trabalhos de outros estudiosos que apontam questionamentos e cuidados a se tomar com a metodologia:
  • Em se tratando principalmente de OPOL dentro de casa, é questionável o quão rígido os pais conseguem ser com a regra. Estudos indicam que por mais que digam o contrário, a maioria dos pais conversam com os filhos nas duas línguas
  • Uma aderência rígida ao OPOL apenas pelo fato de consistência à uma regra pode em determinados casos causar uma obstrução à comunicação, o que pode ocorrer quando a criança começa a frequentar a escola
  • Alguns estudos com crianças bilíngues não apontaram diferenças entre crianças criadas com o OPOL quando comparadas à crianças criadas com mistura de línguas
Em todo o caso, as desvantagens não parecem ser motivo para desanimar. Muito pelo contrário. Tem que se levar em conta que o que se está fazendo é algo positivo para a criação do filho e como tal apresenta dificuldades e benefícios.

 

Facebook Comments

Post Author: mario