Minha homenagem aos 459 anos da cidade de São Paulo

Na semana em que a cidade de São Paulo completava 459 anos, eu estava viajando por lá a trabalho. Nasci em Guarulhos, que é uma cidade que fica bem ao lado de São Paulo, então passei toda a minha vida indo e voltando para a capital do Estado. Quando eu era pequeno, Guarulhos era considerada uma cidade dormitório. Adolescente, eu ia todos os dias de Guarulhos para São Paulo para estudar no Liceu de Artes e Ofícios.

Como de costume, fico na casa dos meus pais em Guarulhos mesmo que o compromisso seja em São Paulo, afinal não é tão longe assim: 25km da casa dos meus pais até a Av. Paulista. Mas o transito de São Paulo é imprevisível. No meu primeiro dia de compromissos, saí do Centro de Guarulhos para o Shopping Center Norte para almoçar e levei uma hora e meia para fazer o percurso. O transito era grande no final da Via Dutra, entrando na Marginal Tietê.

Shopping Center Norte

No dia seguinte, novamente saí do Centro de Guarulhos em direção aos Jardins, e em 25 minutos estava passando na frente do Center Norte. O percurso foi nostálgico para mim, pois passei por lugares que marcaram a minha vida e me acompanharam por um bom período.

A começar, como falei, passei pela Via Dutra, que no Desciclopédia já foi dita como a “maior avenida do mundo”. Eu vi essa rodovia ser privatizada e ter suas margens em Guarulhos crescer com prédios residensiais, lojas de automóveis e indústrias. Ali também logo na divisa entre São Paulo e Guarulhos, na altura da rodovia Fernão Dias, ficava a Estrela, a fábrica de brinquedos. Quando eu era pequeno eu e minha irmã sempre fazíamos questão de ver e comentar o fato de estarmos passando na frente da fábrica, mesmo que fizéssemos isso todas as semanas. Na capital a Via Dutra que era decadente tem melhorado bastante. Galpões que há anos estavam abandonados agora voltam a ganhar vida.

Chegando na Marginal Tietê, apesar de o culto ao carro estar em baixa, é legal ver como as obras fizeram a avenida melhorar muito. O transito hoje flui com muito mais facilidade, mas ainda há muitos caminhões devido ao Rodoanel não estar pronto. Também vale lembrar que São Paulo ainda é um pólo industrial muito forte, então os caminhões estarão dentro da cidade por um bom tempo. Mas o post hoje é sobre coisas boas. Mesmo no transito, parado, eu podia fazer uma outra coisa que me acompanhou no passado: ouvir a Rádio 89, que está de volta como a Rádio Rock.

Para mim não tem como não passar em frente do Center Norte e não lembrar da minha infancia. Esse Shopping era oficialmente o Shopping dos guarulhenses nos anos 80. Ali eu tive minha festa de aniversário de cinco anos no McDonald’s. E logo em frente, do outro lado do rio, fica o Shopping D. Um Shopping mais para comprar roupa, mas que foi o meu Shopping de Fliperama quando eu estava no ensino médio. Ali estudantes do Liceu de Artes e Ofícios e da Escola Técnica Federal se encontravam para jogar Daytona.

Ponte das Bandeiras
Óleo sobre tela de Odetto Guersoni

Outra coisa que eu fiz foi pegar a Ponte das Bandeiras. Essa ponte é uma das principais da Marginal Tietê por fazer parte do corredor Norte-Sul. Logo ao cruzar à ponte, no sentido Centro, quem aprecia a cidade, sua história e sua cultura tem diariamente um passeio com vista à diversos marcos históricos. Ao fundo, saindo da Avenida Santos Dumont e chegando à Avenida Tiradentes, enxerga-se o famoso prédio do Banespa. Na Tiradentes, encontra-se o Museu de Arte Sacra, a FATEC/ETESP, estação de metrô Tiradentes, vários edifícios da PM, Pinacoteca do Estado, Parque da Luz e Estação da Luz. Cada um destes mereceria um post próprio.

Estação da Luz

 

Grupo Escolar Prudente de Moraes

Um pouco escondido em meio a tantos prédios importantes fica o Colégio Prudente de Moraes. Esse colégio é importante para mim pois ali fiz o vestibular para a Escola Técnica Federal, mas, mais importante que isso, foi a escola onde meu avô estudou. Essa escola foi fundada em 1895 como Escola Modelo da Luz e foi projetada por Ramos de Azevedo. Essa região eu frequentava diariamente quando estudava no Liceu de Artes e Ofícios. Aliás, o prédio da Pinacoteca de São Paulo, também projetado por Ramos de Azevedo, foi construído para ser dividido entre a Pinacoteca e o Liceu, mas a escola ficou ali por apenas um curto período. Ramos de Azevedo chegou inclusive a ser diretor da escola.

Ed. Copan – Av. Ipiranga

Depois entrei na Av. Ipiranga. Por ali passei pela “esquina mais famosa do Brasil”, em seu cruzamento com a Av. São João, mas também passei pelo cruzamento com a Rua Santa Efigênia, que foi minha companheira durante meus anos de Liceu quando todos os dias no final de ano eu tinha que ir comprar um resistor ou capacitor que havia faltado. Sempre passando ali, em meio ao seu caos, procuro observar a beleza de uma avenida que teve seus dias de glória no passado. Ali ficam marcos históricos importantes como o Edifício Italia, Praça da República, o belíssimo prédio da Secretaria Estadual de Educação e o Copan, edifício projetado por Oscar Niemeyer que sempre foi referência de “imagens de São Paulo”, muito antes da ponte estaiada Octávio Frias de Oliveira. Dali, subi a Rua da Consolação e passei do lado do Mackenzie, onde fiz Administração por seis meses até decidir que queria me mudar para Santa Catarina. Na esquina com a Rua Piauí lembrei do trote que levei. Foi bem divertido, nada violento. Apenas novas amizades, cara pintada e cerveja.

Mackenzie – Biblioteca Central George Alexander

Segui pela Rua Haddock Lobo, cruzando a Av. Paulista e enfim chegando nos Jardins, onde eu tinha meu compromisso. Mais tarde, teria outro compromisso na Vila Madalena, mais especificamente na Rua Fradique Coutinho. A Vila Madalena e Pinheiros me trazem boas lembranças não somente do meu primeiro emprego, mas também pelos happy hours e baladas, como o Morrison Rock Bar. A volta me lembrou a época do meu primeiro emprego. Peguei a Rua Henrique Schaumann, que continua bela como sempre, rumo a Av. Sumaré, Viaduto Antarctica e enfim Marginal Tietê. Naquela época, 1999, eu voltava para casa ouvindo a 89 tocando as mais pedidas do dia. Dessa vez, passando pelo mesmo trajeto e ouvindo a mesma rádio pude reviver muitas boas lembranças.

Vila Madalena – Nunca viu essa rua? Eu também não conhecia, mas o GPS me levou por engano lá

Eu sempre digo que não gostaria de voltar a morar em São Paulo, ou mesmo em Guarulhos, mas essa cidade tem sim seus encantos, e são muitos.

Facebook Comments

Post Author: mario