Viagem para São Paulo

Na semana passada viajamos para Guarulhos com o Arthur. Foi a sua terceira viagem de avião e mais uma vez fomos com a Gol (veja informações sobre viagem com bebê pela Gol).

Viagem de ida
Viagem de ida

Fomos para fazer uma segunda rodada da festa de aniversário do Arthur, uma vez que parentes e amigos de lá mal conhecem o nosso filho e gostariam muito de ter participado da festa aqui em Florianópolis. Aliás, aqui em Florianópolis tivemos também que fazer uma festa pequena devido a limitação de espaço em nosso salão de festas do condomínio.

Piano Hering
Piano Hering que já foi meu. Agora é do Arthur mas precisa de um conserto.

Mas a viagem também tinha outras motivações: iríamos ao zoológico de São Paulo e a um aniversário de 94 anos.

Vamos por partes.

A viagem de ida correu tudo bem. O vôo saiu com 10 minutos de atraso. O Arthur estava dessa vez muito mais esperto com o avião. Queria mexer na lâmpada de leitura, na cortina de plástico da janela, na mesinha, etc. A Cleu mostrou para ele o abre e fecha da cortina de plástico e ele não parava mais. Deve ter feito o movimento de abrir e fechar mais de trinta vezes. Deu tchau para a atendente do Check-in, para as aeromoças. Foi um barato.

Curiosidade
Curiosidade

Chegamos no aeroporto de Guarulhos e nossas bagagens rapidamente apareceram na esteira. A prioridade foi respeitada.

No dia seguinte, acordamos cedo como de costume e lá pelas 9:30 saímos de casa para ir ao Zoológico de São Paulo. O Zoológico foi fundado em 1958 e ocupa uma área de 824.529 m2 de Mata Atlantica. Fica em um grande parque que possui ainda o Zoo Safari e o Jardim Botânico.

Considerando que o Zoológico fica próximo a Rodovia dos Imigrantes, que liga a capital à Baixada Santista, ir bem no início do feriadão não parecia uma boa ideia. Tentei ao máximo fugir de todas as rotas de praia, mas chegando próximo ao trevo da Imigrantes com a Av. Bandeirantes o transito foi inevitável. Mas eis que o transito era tanto para quem ia para Santos quanto para quem ia para o Zoológico. Na hora não acreditei. Pensei que no caminho para o Zoológico deveria ter mais acesso a Imigrantes ou Anchieta. Que nada. Era um dia para todo mundo ir ao Zoológico mesmo. A menos de 3 km do zoológico levamos mais de uma hora de carro. Deixamos o carro em um estacionamento 1,5 km antes e fomos a pé. Passamos pela frente do Jardim Botânico e nos espantamos com a beleza do lugar. Mas não seria naquele dia. O objetivo era mostrar para o Arthur os macacos, elefante, girafa, etc.
Quando finalmente chegamos na bilheteria, o que se via era literalmente uma coisa aterrorizante. Muita gente amontada no que deveriam ser 12 filas. Muita gente mesmo. A expectativa de conseguir entrar era nunca. Depois de eu avaliar bem a situação e eliminar possibilidades de esperança, decidimos ir embora. O que fizemos então foi ir para o Jardim Botânico. Muito bonito o lugar. Era barato para entrar, R$ 5, e estava vazio. No zoo a entrada é R$ 12. Para nosso espanto, encontramos ali dentro um restaurante self-service muito bom. A primeira coisa foi almoçar, pois já era meio dia e logo o Arthur também teria fome. Pudemos os três comer muito bem.

Jardim Botanico 1
Jardim Botanico 1
Jardim Botanico 2
Jardim Botanico 2
Jardim Botanico 3
Jardim Botanico 3

Foi um tanto decepcionante, mas valeu a experiência. Recomenda-se não ir ao Zoológico em domingos e feriados, pois o movimento é sempre grande. Até o caminho indicado pelas placas é especial nestes dias. Como a expectativa era grande com o Zoológico, não conseguimos aproveitar muito o Jardim Botânico. Até porque quisemos sair logo para não pegar também trânsito na saída.

Jardim Botanico 4
Jardim Botanico 4
Jardim Botanico 5
Jardim Botanico 5

A noite fomos ao aniversário de 94 anos da minha tia-avó Maria, filha da minha bizavó Maria e bizavô Antonio. Esses bizavós nasceram na Espanha e são pais do meu avô paterno Mario Gonsales.

Tia Maria, Arthur e Marisa
Tia Maria, Arthur e Marisa

Impressionante como a tia está bem. Muito lúcida, e ouvindo e enxergando muito bem. Fiquei muito contente por ela e por revê-la. Fazia uns 20 anos que não via ela e suas filhas e netas. E estavam todos lá. Pude retomar contato com parentes distantes que eu só via quando era pequeno. Também foi bom estar na casa da tia Iara, cujo terreno é o mesmo em que a minha bizavó morava, e que minha mãe nasceu e brincou boa parte da infancia.

No dia seguinte, era o dia da festinha. Acordei cedo e fui com o Arthur caminhar no Bosque Maia, um dos lugares mais bonitos de Guarulhos. Andamos bastante e ele dormiu por cerca de uma hora, o que é raro quando está passeando no carrinho, pois em geral ele gosta de olhar tudo. A noite teve a festinha, a qual falarei melhor em outro post.

Bosque Maia
Bosque Maia

A viagem foi boa mas também foi corrida. No domingo deu apenas tempo de ir até Arujá na Festa das Flores. Apesar de ser uma festa de várias etnias, o que mais tinha era japonês. Tinha decorações muito bonitas e muita coisa interessante para comprar do Japão.

Deixamos SP a tarde e no começo da noite já estávamos em Florianópolis. O Arthur para variar brincou um monte na janela do avião.

Como ensinamos ele escalar e subir as escadas no sobrado dos meus pais, o Arthur chegou em Florianópolis mostrando bem o que aprendeu. Tentou escalar o rack da sala.

Facebook Comments

Post Author: mario